Archive for abril \05\UTC 2010

h1

Dia das Mães

05/04/2010

9 de maio de 2010

Amor de mãe muda?

Quando no ventre … é o amor da descoberta, do germinar, do ser a terra da semente.

Quando nasce … é o amor do sentir ali … parte de si … se ver e rever, em outro ser que da gente vem.

Quando cresce, descobre e desbrava o mundo … é o amor com os olhos do futuro, que aquele ser por nós gerado, vai em direção.

Quando se vai de nós … em busca dos seus caminhos … é o amor da benção, da estrela guia, que quer iluminar cada passo daquele filho que para a vida trilha.

Talvez não mude … talvez se transforme … pela força que cada momento necessita.

Talvez seja esse o grande Amor de Mãe, o amor à vida, àquele que de sua vida sai em busca de sua própria vida.

Arminda de Fátima

h1

Maio 2010 – O passado tem lugar?

05/04/2010

O passado tem lugar?

Há momentos em que refletimos sobre o viver e não sei bem porque… insistimos em refletir MUITO sobre o que passou: o que fizemos e o que não fizemos; o que falamos e o que não falamos…
Pode ser um “saudosismo”, mas também pode ser medo ou teimosia… podem ser muitas coisas à partir das nossas dificuldades em SOLTAR o que já passou.
Já passou!
Não tem mais energia nenhuma ali, a não ser a que colocamos. Mas colocamos essa energia aonde? Em algo que já passou?!
Sim, a colocamos nos sentimentos e emoções que tivemos e queremos, por muitas vezes, perpetuar o que já se foi.

O passado tem lugar?

Tem … mas fora da linha do tempo. Que também passa.
Tem lugar quando o colocamos em nossa mente e em nossos corações, preenchendo espaços sedentos de novos pensares, um novo sentir.
Mas …
O dia, ao nascer, se perde no que ficou do dia que ontem morreu?
O Sol de hoje espera algo de quando se pôs ontem?

Qual o lugar do seu passado?
Se sabemos que todo o vivido nos constitui hoje, QUERO viver mais e mais todo o novo de cada dia, pois quero e sei que posso mais.

Que a luz do passado seja apenas uma vela sempre acesa das lembranças, mas que nunca ilumine mais do que o Sol de cada dia.

Arminda de Fátima

h1

Março 2010

03/04/2010

4 de março de 2010

Não sei se isto acontece todos os anos, ou se eu estou mais atenta neste ano. Mas algumas coincidências tem me chamado a atenção.

Há a FESTA da primavera no Japão, com a floração das cerejeiras que se enchem de flores … e flores que duram apenas uma semana, mas que são capazes de alimentar, pela sua beleza, todo o ano que  se inicia.

Há a FESTA da Páscoa, ela acontece em muitos lugares do mundo. Muito além de ovos de chocolate, aqui também se exercita um novo início, em memória de um Ser. E assim, somos convidados a um novo início em cada ano.

Interessantemente, a Páscoa deste ano para cristãos e muçulmanos tem suas datas coincidentes!!!

Todas esses acontecimentos sugerem um RE-COMEÇO, um RE-INÍCIO.

Cada dia que o Sol se levanta no horizonte, é o Novo que se apresenta para nosso desfrute. Um desfrute responsável com aquilo que escolhemos viver, tanto individual, como coletivamente.

O Universo e a Natureza são generosos com tudo aquilo que neles vivem, inclusive nós, os Seres Humanos. Quão pouco generosos podemos ser com nós mesmos, quando nos esquecemos, quando nos desconectamos destes movimentos naturais e próprios de renovação, de realimentação.

Talvez estes eventos todos sempre aconteçam em datas próximas uns dos outros, ou porque talvez eu esteja mais generosa comigo mesma, possa  percebê-los agora. E incansavelmente nos fazem lembrar: “SEJAM FELIZES, TENHAM ALEGRIA EM SEUS CORAÇÕES. Somente assim, vocês poderão caminhar por estas estradas com mais leveza, mais vontade, mais compaixão com vocês mesmos e com o que e quem está ao seu redor.”

Vamos celebrar como estas flores de Cerejeira, que embora se exponham por apenas uma semana …  são o MÁXIMO daquilo que podem ser nesse instante e depois … bem … continuam fazendo seus caminhos, com a certeza que novas coisas viverão para chegar à uma bela e nova florada.

Que assim sejamos também.

Arminda de Fátima

h1

Abril 2010 – construindo a Vida com sonhos e concretizando com Amor

02/04/2010

Que Deus não permita que eu perca o ROMANTISMO,  mesmo sabendo que as rosas não falam… Que eu não perca o OTIMISMO,  mesmo sabendo que o futuro que nos espera não é assim tão alegre… Que eu não perca a vontade de TER GRANDES AMIGOS, mesmo sabendo que, com as voltas do mundo, eles acabam indo embora de nossas vidas… Que eu não perca a vontade de AJUDAR AS PESSOAS, mesmo sabendo que muitas delas são incapazes de ver, reconhecer e retribuir esta ajuda… Que eu não perca o EQUILÍBRIO, mesmo sabendo que inúmeras forças querem que eu caia… Que eu não perca a VONTADE DE AMAR, mesmo sabendo que a pessoa que eu mais amo, pode não sentir o mesmo sentimento por mim… Que eu não perca a LUZ e o BRILHO NO OLHAR, mesmo sabendo que muitas coisas que verei no mundo, escurecerão meus olhos… Que eu não perca a RAZÃO, mesmo sabendo que as tentações da vida são inúmeras e deliciosas… Que eu não perca o SENTIMENTO DE JUSTIÇA, mesmo sabendo que o prejudicado possa ser eu… Que eu não perca a BELEZA E A ALEGRIA DE VER, mesmo sabendo que muitas lágrimas brotarão dos meus olhos e escorrerão por minha alma… Que eu não perca a vontade de SER GRANDE, mesmo sabendo que o mundo é pequeno… E acima de tudo… Que eu jamais me esqueça que um pequeno grão de alegria e esperança dentro de cada um é capaz de mudar e transformar qualquer coisa, pois…

A VIDA É CONSTRUÍDA NOS SONHOS E CONCRETIZADA NO AMOR!

Amorosamente, Francisco Cândido Xavier